Como o Google Analytics lida com redirecionamento 301 e 302?

Eu já vi essa dúvida diversas vezes. Por isso, resolvi abordar esse assunto e ajudar as pessoas. Aponte para esse link se você ver alguém perguntando sobre redirecionamento (redirect) 301 ou 302 nos fóruns de ajuda do Google Analytics.

O Google Analytics reportará o referenciador (referrer) original para a página original solicitada se houver um redirecionamento 301 (ou 302) do servidor.  

Por exemplo:

Você é proprietário do meusite.com e tem uma página chamada pagina.html. Você decide que deseja criar uma página melhor para isso e cria “melhor-pagina.html”.

Então, você percebe que deseja remover a pagina.html original porque é ruim em comparação com a página “melhor pagina”, mas deseja garantir que as pessoas vinculadas a essa página antiga vejam a nova página. Como você é uma pessoa boa e preocupada com o SEO, redireciona 301 de “/pagina.html” para “http://www.meusite.com/melhor-pagina.html”.

Digamos que o site outrosite.com amou sua página original e tinha um link nela. Agora que o seu redirecionamento 301 está presente, o que acontece quando alguém clica no link em outrosite.com? O que aparece como referenciador?

Sim: outrosite.com é o referenciador! E qual é a sua página de destino? melhor-pagina.html é sua página de destino.

Isso acontece porque o navegador nunca vê realmente o primeiro arquivo: o servidor redireciona o navegador e o campo do DOM que monitora seu referenciador não é atualizado. Esse campo é referido pela variável document.referrer e um truque rápido para verificar o que está nele, digite o seguinte na barra de localização:

javascript: alert (document.referrer);

Se você é um ninja do navegador, pode utilizar a ferramenta de inspeção e olhar o mapa DOM para ver isso.

Vamos dar outro exemplo:

E se alguém pesquisar por “página super incrível” no Google, apenas minutos depois de colocar o redirecionamento? Bem, o Google não teve tempo de encontrar seu redirecionamento e atualizar o URL no índice deles. O que vai acontecer?

Está tudo bem, porque quando alguém clica no link para http://www.meusite.com/pagina.html nos resultados de pesquisa do Google, eles será redirecionado (301) para http://www.meusite.com/melhor-pagina.html. Referenciador? google.com (o document.referrer realmente lerá: http://www.google.com/search?q=pagina+super+incrivel – é assim que ele conhece as palavras-chave do seu mecanismo de pesquisa). E, novamente, melhor-pagina.html será a página de destino.

Então, tráfego direto é direto, pesquisa é pesquisa, referido é referido.

Exceções:

Há momentos em que um redirecionamento 301 NÃO preserva as informações do referenciador, mas elas são raras. O exemplo mais comum é quando uma página https é vinculada a um redirecionamento em uma página não https. Novamente, solte o javascript acima em seu navegador para auditar isso em seu próprio site, se isso for uma preocupação. Se esse script indicar as informações corretas do referenciador, o Google Analytics também o fará.

Além disso, se você estiver tentando fazer um 301 que não seja do tipo server-side (já vi algumas pessoas tentarem o redirecionamento 301 em HTML ou por meio de um redirecionamento JavaScript – não pergunte), você definitivamente terá problemas.

A documentação do Google Analytics sobre isso refere-se a javascript e redirecionamentos mas pode induzir ao erro. É tecnicamente correto, mas NÃO é sobre redirecionamentos 301/302 do lado do servidor. No caso isolado a que se refere (o que não está bem explicado), está certo.

Por fim, navegadores baseados em webkit (Chrome e Safari, entre eles) têm um problema conhecido com a abertura de conteúdo em novas guias e janelas. Se um usuário clicar com o botão direito do mouse em um link e selecionar Abrir em uma nova janela ou Abrir em uma nova guia, os dados do referenciador serão perdidos. Mas se eles simplesmente mantiverem CTRL ou command (em um mac) enquanto clicam para abrir uma nova guia, os dados do referenciador são preservados.

Se você estiver usando redirecionamentos 301, verifique se eles preservam seus parâmetros de rastreamento (utm_source etc. no final do URL de destino). Geralmente, os parâmetros que podem especificar campanhas de exibição, email ou pesquisa paga podem ser removidos. O que acontece aqui? O URL do site de referência se torna um referenciador e as informações da sua campanha são perdidas.

Por exemplo:

1) Seu e-mail que alguém lê no Gmail deve ser contado como fonte: “email” medium: “email” campaign: “super email campaign”. Se você esquecer de manter seus parâmetros de URL, em vez de essa visita ser atribuída à campanha por e-mail, ela será contabilizada como uma referência no google.com.

2) Você está rodando uma campanha de pesquisa paga e tem a palavra-chave “site legal”. Você espera fonte: “google” medium: “cpc” campaign: “termos genéricos de site legal”.

Se você esquecer de manter seus parâmetros de URL, em vez de a campanha de pesquisa paga ser gravada, essa visita será atribuída à pesquisa orgânica.

A última coisa a ter em mente é que antes das páginas de destino do redirect 301 substituírem as páginas originais nos mecanismos de pesquisa (ou se você usa redirecionamentos 302 e os URLs não são substituídos nesse caso), o URL do link real dos mecanismos e da sua página de entrada NÃO será o mesmo. No exemplo acima, o Google vinculou a http://www.meusite.com/pagina.html, mas a página de entrada era melhor-pagina.html. Se você estiver tentando comparar o tráfego com as páginas de entrada com seus relatórios de classificação, eles não serão combinados se você vincular eles por URL.

Leia mais: Como usar o Google Analytics

Deixe seu comentário

Veja também